Ausência de Renan Calheiros é sentida em posse de novo ministro de Turismo


A ausência do presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB/AL) – o padrinho político do ex-ministro do Turismo, Vinícius Lages – foi sentida durante a posse do novo ministro Henrique Alves (PMDB).
A leitura de bastidores políticos é de que Renan Calheiros quis deixar claro a sua “insatisfação” com a saída de Lages do ministério da presidente Dilma Rousseff (PT). A relação entre Calheiros e Dilma é tensa. O presidente do Senado Federal não perde a chance de alfinetar.
Defende a ideia da redução dos ministérios e – mais recentemente – ao ser indagado sobre a indicação da nova cadeira do Supremo Tribunal Federal (STF) – o nome do jurista Luiz Fachin - disse que esta ainda seria analisada pelo Senado e lembrou que já houve – na história – caso de rejeição de nome.
Oficialmente, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) afirmou que “não crê” em uma insatisfação por parte de Renan Calheiros. Ainda há uma preocupação de possível retaliação no Senado Federal em função da indicação de Fachin. Temer comentou: “Renan está acima dessas coisas”.
Os ministros peemedebistas também trataram – conforme informações da Agência Estado – de minimizar a ausência de Renan Calheiros. Outra ausência sentida foi a do presidente da Câmara de Deputados, Eduardo Cunha (PMDB).
O ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha destacou: "eu penso que, neste momento, é claro que é notada a ausência dos nossos dois grandes líderes da Câmara e do Senado, mas, por óbvio, eles tinham atribuições lá que, neste momento, não permitiram que eles estivessem aqui presentes, mas nós temos confiança de que poderemos caminhar todos juntos".
Os petistas do governo também não viram problemas na ausência...

Por Cada Minuto

Sexta-Feira, 17 de Abril de 2015

0 comentários

Comentário