Alambique artesanal de AL produz cachaça que é referência internacional

Bebida produzida pela Gogó da Ema acumula premiação pela qualidade. Destilado de alto padrão é fabricado em São Sebastião, no Agreste.



Embora a cachaça seja a bebida mais popular do Brasil, fabricada desde o período colonial com técnicas artenasais, somando hoje mais de 30 mil produtores em todo o país, o destilado que é sinônimo da identidade da nação verde e amarela só alcançou projeção nas últimas décadas, quando perdeu a estigma de subproduto e ganhou status, ocupando prateleiras e adegas de luxo em todo o mundo.


É neste cenário de uma bebida mais requintada que disputa espaço com destilados internacionais que a empresa alagoana Gogó da Ema atua desde 2004. Com uma cachaça produzida em um alambique artesanal que fica localizado na Fazenda Recanto, no município de São Sebastião, no Agreste alagoano, a empresa já conquistou diversos prêmios pela qualidade da bebida.

O último, anunciado na semana passada, foi a medalha de prata na São Francisco World Spirits Copetion, nos Estados Unidos (EUA), para a cachaça tradicional, que já acumula prêmios nacionais e na Bélgica.
Na ocasião, nos EUA, foram avaliados por especialistas internacionais mais de 1,5 mil rótulos de bebidas destiladas – cachaças, whisks, vodkas, run, gin e licores.

Com o objetivo de conhecer um pouco mais sobre a produção da cachaça com selo alagoano que vem ganhando projeção no mercado nacional e internacional, a reportagem do Portal G1 foi até o alambique artesanal da Gogó da Ema para acompanhar o processo que garante os critérios de qualidade exigidos pelo mercado de bebidas. (Confira a Reportagem completa)

Logo na chegada da fazenda, que fica a 125 km de Maceió, o empresário Henrique Tenório explica a diferença entre cachaça e aguardente ao enfatizar que é comum as pessoas fazerem confusão ao falar sobre essas bebidas.

"A palavra cachaça foi ao longo dos tempo sinônimo de bebida sem qualidade, e até no linguajar pejorativo atribuído ao consumidor que não possui limites. No entanto, ao contrário da aguardente, a cachaça é uma bebida de excelência, um tipo de destilado com teor alcoolico controlado. Sem adição de água, açúcar ou qualquer outro componente. Tanto que em sua fabricação só é extraído do alambique o líquido mais nobre da cana. Com isso, a parte da bebida que possui metais pesados, que fazem mal a saúde, é descartada”, diz.
Barris onde s é armazenada a cachaça são responsáveis pela tonalidade e sabor da bebida  (Foto: Jonathan Lins/G1)
Barris são responsáveis pela tonalidade e sabor
da cachaça (Foto: Jonathan Lins/G1)
Para a produção artesanal da cachaça de qualidade o controle de padronização começa ainda no campo, com o corte da cana crua feita a mão. Em seguida, o caldo da cana é extraído e enviado para tonéis de inox onde passa pelo processo de fermentação, para depois ser lançado no alambique de cobre para destilação.

Na fusão, a cabeça, onde se concentram os metais pesados da planta, é separada do ‘coração’, parte nobre da bebida. Após esta etapa, a bebida segue para maturação em barris de inox, bálsamo ou jequitibá.

“Na maturação, quando ocorre o envelhecimento da cachaça, é onde está o segredo que assegura os tons e sabores. Com isso, dependendo do objetivo, a bebida pode passar de 2 a 7 anos armazenada. Cada barril e o tempo de armazenamento da bebida é o que define como será a cachaça”, expõe Henrique, ao enfatizar que, para comemorar os 10 anos de fabricação, o alambique Gogó da Ema vai lançar em breve uma série especial e limitada de cachaças com uma década de maturação.

Controle de qualidade da cachaça é feito em laborátorio após o envase da bebida (Foto: Jonathan Lins/G1)Controle de qualidade da cachaça é feito em laborátorio após o envase da bebida (Foto: Jonathan Lins/G1)
A partir do controle de padronização, a cachaça é avaliada em laboratório e engarrafada seguindo rígidos controles de qualidade antes de chegar ao público consumidor. “É um longo trajeto, porém, necessário para assegurar qualidade e cativar paladares. Com isso, temos três tipos de produtos: a branca, envelhecida em tonéis de inox; a mix, com tom frutado, envelhicida em tonéis de jequitibá; e a tradicional, que é envelhecida em bálsamo e a que possui mais prêmios e citações por especialistas”, relata.

Com produção limitada, o alambique produz entre 25 e 30 mil litros de cachaça por ano, comercializados em 10 estados brasileiros. “Poucos são os fabricantes que atendem aos critérios do Ministério da Agricultura, e menos ainda os que fabricam uma bebida de alta qualidade. Assim,Alagoas pode se orgulhar, pois mesmo com alambiques de menor porte o estado vem sendo bem representando dentro deste mercado”, completa Henrique.

Grupo participa de visita guiada dentro do alambique artesanal de cachaça (Foto: Jonathan Lins/G1)
Grupo participa de visita guiada no alambique
artesanal de cachaça (Foto: Jonathan Lins/G1)
Visitas
Quem quiser conhecer a produção de cachaça do alambique Gogó da Ema pode agendar previamente a visita através dos números (82) 3241-4237 / 9935-9065.

O momento é uma oportunidade para saber mais sobre a forma de produção da cachaça artesanal e desgutar a variações da bebida.

“Fazer a visita é uma experiência interessante porque ao conhecer como é produzida a bebida, quebramos alguns tabus sobre a cachaça. E vemos como esse produto é importante para o setor comercial e cultural do estado, e até mesmo do país”, falou o estudante Lehi Ulisses.

0 comentários

Comentário