Alagoas tem segunda manifestação neste domingo contra a corrupção

Protesto do Movimento Brasil Livre em Maceió pede saída de Dilma. Pela manhã, manifestantes fizeram caminhada pelas ruas de Arapiraca.

 

Milhares de manifestantes saíram em caminhada pela Orla de Maceió, da Jatiúca à Ponta Verde, para protestar contra a corrupção no país. É o segundo ato deste domingo (12) no estado, o primeiro aconteceu pela manhã, em Arapiraca. Segundo a última estimativa dos organizadores, havia cerca de 10 mil em caminhada na capital. A Polícia Militar fala em 6 mil manifestantes.

O ato foi organizado pelo Movimento Brasil Livre. Com apoio de um trio elétrico, um dos integrantes usou um microfone para protestar contra os altos preços, a inflação e a taxa de desemprego.

Além disso, o ato também pediam o impeachment da presidente Dilma, mas se diz contra a intervenção militar.

"Além das pessoas nas ruas, havia uma massa incrível nas varandas dando apoio ao movimento e aplaudindo. Eles não acompanharam a caminhada, mas demonstram apoio das janelas dos prédios e dos hotéis. Foi um ato tão bonito quanto o primeiro", diz um dos organizadores, Henrique Arruda.

O número de manifestantes estimado pelos organizadores é o mesmo que o registrado no último protesto em Maceió, no dia 15 de Março. Naquela manhã, a PM também contabilizou 10 mil pessoas, mas hoje o número estimado pelos militares foi menor.

A aposentada Vera Monteiro, de 64 anos, vestiu as cores do Brasil e foi às ruas para protestar. "Eu era professora universitária e vi diversos alunos voltarem do Ciências Sem Fronteiras [programa federal de intercâmbio] sem certificado porque a União nao pagou o convênio com a faculdade do exterior", questiona.
Em Maceió, casal exibe cartazes contra corrupção e gastos do governo (Foto: Lucas Leite/G1)Em Maceió, casal exibe cartazes contra corrupção
e gastos do governo (Foto: Lucas Leite/G1)

Já a dona de casa Zelia Bianconcini, de 60 anos, diz que não está satisfeita com o governo atual.
"Estou vendo o Brasil se perder e caminhar para a ditadura. O nosso povo não pode mais passar fome. Não pode faltar dinheiro, escola e educação para a população", avalia.

Os manifestantes percorrem cerca de dois quilômetros, até o estacionamento do Alagoinha. O início da marcha estava marcado para as 15 horas, mas atrasou devido a um problema no carro de som.

"Nós conseguimos reunir mais de 10 mil pessoas, mais gente que da última vez. Queremos mostrar que a população não aceita a corrupção que está aí", diz um dos organizadores do movimento, Henrique Arruda.

O protesto foi considerado pacífico pela PM, que acompanhou a manifestação com um efetivo de cerca de 90 homens. "Viemos para garantir a segurança dos manifestantes, mas não registramos nenhuma ocorrência em toda a caminhada. foi um protesto pacífico".


Alguns manifestantes em Maceió levaram faixas com frase em inglês defendendo a intervenção militar (Foto: Lucas Leite/G1)Alguns manifestantes em Maceió levaram faixas defendendo a intervenção militar (Foto: Lucas 
Leite/G1)

Embora os organizadores do movimento demonstrem ser contrários à intervenção militar, houve quem exibisse faixas durante a marcha apoiando o controle do país pelas Forças Armadas. Um deles era Fábio Viana, de 49 anos, que trabalha como telemarketing.

"Acredito que uma intervenção militar é a única maneira de resolver o problema de corrupção nos partidos políticos. Acredito que será feita é uma limpeza e não temo a ditadura, pois não acho que isso possa se repetir", defende Viana.
Manifestantes exibem cartaz contra preços altos e corrupção (Foto: Lucas Leite/G1) 
Manifestantes exibem cartaz contra preços altos e corrupção (Foto: Lucas Leite/G1)
Protesto em Arapiraca
 
Em Arapiraca, o protesto foi inciado por volta de 10h e reuniu cerca de 150 manifestantes, segundo os organizadores. A Polícia Militar estima que foram cerca de 60 pessoas.
Caminhada em Arapiraca pede saída da presidente Dilma Rousseff (Foto: Tony Medeiros/TV Gazeta)Caminhada em Arapiraca pede saída da
presidente Dilma Rousseff (Foto: Rubem
Lopes/TV Gazeta)

Eles fizeram uma caminhada de dois quilômetros, que durou cerca de uma hora, e também pediam o impeachment da presidente Dilma.

A PM enviou uma guarnição ao local para acompanhar o protesto. Segundo o tenente Willian, do 3º Batalhão de Polícia Militar (3º BPM) a manifestação foi pacífica.

Os manifestantes contaram com apoio de um carro de som para atrair mais gente pelo trajeto. Além de faixas e cartazes, um bandeirão de cerca de 30 metros era exibido na caminhada com frases contra o governo do PT.

Uma integrante do movimento, Waldyjane Farias Novaes, avaliou o ato como positivo e reforçou que foi uma manifestação pacífica. "A PM e o Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência] acompanharam o protesto, mas graças a Deus não houve nenhuma ocorrência. Foi lindo. Um ato em defesa do país".


Por G1 Alagoas

Segunda-Feira, 13 de Abril de 2015
  

 

0 comentários

Comentário